DISCURSOS GASTRONÔMICOS E MACARRÔNICOS

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Um pouco de ética

Quero destrinchar uma outra questão embutida na cozinha tecno-emocional. É que nos tempos em que vivemos, sustentar uma filosofia de comida utópica parece não cheirar muito bem. Faz lembrar da época em que achávamos bonito usar casacos de pele.
Estão elitizando ainda mais o sustento que nos é dado pela natureza, ao mesmo tempo em que boa parte da humanidade sucumbe.
A gastronomia pode não ter um papel significativo na degradação do meio ambiente. Talvez tenha um papel que faça chocar, se continuar mirando o próprio umbigo. Mas poderia mesmo ter papel relevante, quem sabe, na recuperação da dignidade de pessoas que nem humanas são mais.
Quem dá as diretrizes? Não vamos esquecer que a mídia também tem seu papel, mesmo que seja o de jogar confetes sobre qualquer coisa nova que apareça por aí.
O assunto aqui é comida. Espero principalmente que os cozinheiros dos sabores abstratos não se esqueçam o que é isso. E que glamour ou elegância hoje, já que gostam tanto, combina mais com ética do que com seus tubos de ensaio.

2 comentários:

...Noêmia! disse...

Apoiado! O que acontece, hoje em dia, com alguns "chefs" é uma afronta às pessoas que querem, simplesmente, saborear um prato. Alguns chegam ao ponto de criar nomes para os pratos que, quando acabam de dizê-lo, de tão longos e ridículos, já perdemos o apetite! Viva a cozinha simples, criativa, saudável e sem frescuras!
:o)

Regina Bui disse...

Viva!