DISCURSOS GASTRONÔMICOS E MACARRÔNICOS

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Ingredientes invisíveis

O preparo da comida carrega no ato uma responsabilidade velada. O que você despeja na receita enquanto cozinha tem a ver com seu estado de espírito, involuntariamente. Como se um fluido sem forma, cor ou nome, nascesse e corresse em suas veias e transitasse livre por entre os poros até tornar-se, naturalmente, uma energia, uma força. Força do bem ou do mal, vai depender inteiramente de sua intenção verdadeira. Como na fala abaixo, contida na peça A Gota D’água, de Chico Buarque, em que Joana, abandonada pelo marido, amassa um simples pão. Enquanto o prepara, tempera também com amargura e ódio. Esse é um exemplo extremo dessa energia venenosa que pode nos acompanhar, caso queiramos alimentá-la. A boa notícia é que o outro extremo é tão poderoso e benéfico quanto uma praga jogada para o universo.

Tudo está na natureza
encadeado e em movimento –
cuspe, veneno, tristeza,
carne, moinho, lamento,
ódio, dor, cebola e coentro,
gordura, sangue, frieza,
isso tudo está no centro
de uma mesma e estranha mesa
Misture cada elemento –
uma pitada de dor,
uma colher de fomento,
uma gota de terror
O suco dos sentimentos,
raiva, medo ou desamor,
produz novos condimentos,
lágrima, pus e suor
Mas, inverta o segmento,
intensifique a mistura,
temperódio, lagrimento,
sangalho com tristezura,
carnento, venemoinho,
remexa tudo por dentro,
passe tudo no moinho,
moa a carne, sangre o coentro,
chore e envenene a gordura
Você terá um ungüento,
uma baba, grossa e escura,
essência do meu tormento
e molho de uma fritura
de paladar violento
que, engolindo, a criatura
repara o meu sofrimento
co’a morte, lenta e segura

3 comentários:

Anônimo disse...

lindo texto.
como tudo o que você escreve, aliás.
gosto do seu estilo e da sua comida.Principalmente porque a energia que flui das suas mãos ao tocar os alimentos é magia das mais elevadas, e faz bem para a alma. Cura.

Andréa disse...

lindo isso!
e é essa alquimia é forte, real...
ja experimentou fazer pão estando aborrecida??? não tente...rsrsrs

Regina Bui disse...

Anônimo,
agradeço muitíssimo o elogio.

Andréa,
pão nunca, mas um molho de tomate já desandou de paixão fracassada!